Revista de Nova Iguaçu destaca atuação de padre que trouxe Cenfi para Brasília

Padre Fernando Vandenabeele, missionário belga da Congregação do Imaculado Coração de Maria (CICM), faleceu no dia 20 de outubro, vítima da Covid-19. Com atuação na Baixada Fluminense, exerceu grande parte de seu ministério na diocese de Nova Iguaçu (RJ) e foi homenageado na capa da revista diocesana “Caminhando”. Entre os feitos listados em sua biografia, a responsabilidade de transferir da cidade do Rio de Janeiro (RJ) para Brasília (DF) o Centro de Formação Intercultural (Cenfi), um dos serviços de apoio missionário que deu origem ao Centro Cultural Missionário (CCM).

Natural de Bruxelas, na Bélgica, padre Fernando nasceu no dia 7 de novembro de 1937. Ainda jovem entrou para a congregação dos Missionários de Scheut, família religiosa fundada pelo Padre Theofiel Verbist em sua cidade natal, sendo ordenado presbítero em 6 de agosto de 1961.

Em artigo publicado no site do Regional Leste 1 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB Leste 1), o bispo de Nova Iguaçu e presidente do Regional, dom Gilson Andrade da Silva, afirmou que a capacidade pastoral, intelectual e humana de padre Fernando “despertou a atenção a nível de organismos missionários de âmbito nacional”. Assim, em fevereiro de 1976, ele assumiu o Centro de Formação para Agentes de Pastoral estrangeiros da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, o Cenfi e, em 1979, foi encarregado de fazer a transferência do Rio para Brasília”.

O Cenfi
Este serviço aos missionários que chegam ao Brasil nasceu em 1960, em Anápolis (GO), fundado pelos Franciscanos Menores, por obra do norte-americano Fr. João Batista Vogel, sob impulso do famoso teólogo e sociólogo Mons. Ivan Illich, e de seus Centros de Formação Intercultural (CIF) de Fordham, nos EUA, e de Documentação Intercultural (Cidoc) de Cuernavaca, no México.

Pensado inicialmente para a capacitação dos missionários franciscanos, o centro foi logo aberto a acolher religiosas e religiosos de outras congregações. Em 1962, o Cenfi foi transferido para Petrópolis (RJ), lugar considerado mais acessível à época. Naquele ano, obteve a aprovação de seus primeiros estatutos por uma Assembleia de Constituição da entidade presidida por Dom Hélder Câmara.

Em 1969, a CNBB e a Conferência dos Religiosos do Brasil (CRB) passaram a integrar o Cenfi, participando de suas Assembleias Gerais. No ano seguinte, vista a pouca procura pelo Centro de Formação Intercultural, a Assembleia Geral decidiu transferir o Cenfi para São Paulo (SP).

Em 20 de janeiro de 1972, o Cenfi volta para o Rio de Janeiro, agora na capital fluminense. A seguir, neste mesmo ano, o Cenfi tornou-se um organismo vinculado à CNBB, indicado especialmente para o acolhimento de missionários estrangeiros. Na ocasião, também o Serviço de Cooperação Apostólica Internacional (Scai) começou a exercer suas atividades junto com o Cenfi.

Em 1977, decide-se pela transferência do Cenfi/Scai para Brasília, aí sob a responsabilidade de padre Fernando Vandenabeele. São abertas negociações com a Sociedade do Verbo Divino e com as Servas do Espírito Santo para a instalação do Centro. O organismo chega a Brasília em agosto de 1978, e começa a funcionar na Av. L 2 Norte – Quadra 609.

No entanto, desde a XV Assembleia Geral da CNBB, em 1977, aponta-se para a urgência de constituir um Centro Missionário que pudesse formar e acompanhar os missionários de maneira mais consistente. O projeto é retomado em 1979, na XVII Assembleia Geral, e efetivado em caráter experimental a partir de fevereiro de 1981. Em dezembro de 1982 é criado o Centro Cultural Missionário (CCM).

Assim, CCM assumiu a antecedente junção entre o Centro de Formação Intercultural (Cenfi) e o Serviço de Colaboração Apostólica Internacional (Scai), e a mais recente criação do Centro de Animação e Estudos Missionários (Caem). Em 29 de dezembro de 1982, a Presidência e a Comissão Episcopal de Pastoral (CEP) da CNBB, constituídas em Assembleia do CENFI-SCAI, decidem de reunir num único Centro Cultural Missionário o CENFI-SCAI, sob forma de dois departamentos, e o CAEM, departamento para animação e estudos missionários. Foi neste mesmo ano que a sede do organismo recém-criado seguiu para um prédio cedido pela Companhia de Jesus às Pontifícias Obras Missionárias, na Av. L-2 Norte – Quadra 601. A nova sede, próxima à Esplanada dos Ministérios, oferecia melhores acomodações e melhores possibilidades para as atividades.

A partir de 1995, os cursos do Cenfi são realizados numa sede própria para o CCM, situada em Brasília na quadra 905 Norte, Conjunto “C”, num imóvel doado pela Congregação do Espírito Santo e reformado pela CNBB com a colaboração das Pontifícias Obras Missionárias. No local, mais recentemente (2017 a 2019), funcionou uma sede provisória da CNBB, durante a reforma da sede.

Neste ano, o CCM tornou-se uma filial vinculada à CNBB com a finalidade oferecer um percurso de iniciação à missão no Brasil para missionárias e missionários que chegam do exterior. A entidade promove cursos de formação missionária para brasileiras e brasileiros enviados a outra região ou país como missionários além-fronteiras. É seu papel também realizar eventos de estudo e aprofundamento sobre teologia, espiritualidade e prática de missão para diversos segmentos eclesiais e fomentar o surgimento e a capacitação específica de animadores missionários na Igreja no Brasil.

Acesse a Revista Caminhando, da Diocese de Nova Iguaçu (RJ)

Fonte: CNBB

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Relacionados