Retornar às origens para sonhar o futuro da missão

Por Jaime C. Patias, IMC *

No Quênia para reuniões e trabalhos, a Direção Geral do Instituto Missões Consolata visitou Tuthu, na província de Murang’a, Região Central do país. O vilarejo a 140 km de Nairóbi foi o destino dos primeiros quatro missionários da Consolata enviados pelo Bem-aventurado José Allamano da Itália para a África. Os padres Thomas Gay (31) e Filippo Perlo (29), e os jovens irmãos missionários, Luigi Falda (19) e Celeste de Lusso (18) chegaram ao Quênia no dia 8 de maio de 1902.

DSC_5649Na capital Nairóbi, conheceram Dom Allgeyer, Superior dos Missionários do Espírito Santo, que lhes sugeriu iniciar uma nova presença entre o povo Kikuyu em resposta ao convite do “Chief Karuri wa Gakure” que queria uma escola em Tuthu, a sua aldeia.

Este foi o destino dos pioneiros da evangelização no coração do Quênia que ao chegar celebraram a primeira missa, no dia 29 de junho de 1902, à sombra de um pé de “mugumo”, árvore sagrada na tradição do povo. Assim começou a evangelização no coração do Quênia. No local hoje, se encontra uma Capela Memorial. A construção em metal é revestida com paredes de vidro translúcido. Ao lado, bem no lugar da árvore, existe um monumento com uma cruz alta e uma grande pedra na qual está gravada a data da chegada, os nomes dos quatro missionários e o lema: “Anunciarão minha glória aos povos” (Is 66, 19). Os mistérios do Santo Rosário dispostos em ambos os lados como se fossem braços abertos para receber os visitantes completam a grande praça, lugar sagrado que irradia o dom da fé.

Ao percorrer as estradas sinuosas que cortam as montanhas verdes, hoje cobertas de plantações de chá, pode-se imaginar as dificuldades enfrentadas pelos pioneiros que fizeram o caminho a pé. Eles tiveram que vencer os obstáculos enfrentando o calor durante o dia e baixas temperaturas à noite. Isso justifica a preocupação do Allamano que queria evangelizadores bem preparados, “santos em grau superlativo”, zelosos, dispostos a sacrificar até mesmo a vida. Preferia sempre a qualidade, mais que o número. Repetia frequentemente: “Primeiro santos, depois missionários”, entendendo o termo “primeiro” não em sentido de tempo, mas como valor prioritário.

Evangelização e promoção humana foi o método aprendido do Fundador e prontamente aplicado por seus missionários. Aprenderam a língua Kikuyu e, mesmo sem muitos recursos, construíram uma pequena escola. Visitavam as aldeias e cuidavam dos doentes. Homens empreendedores com visão, trouxeram novas sementes para a agricultura e instalaram uma serraria para as várias construções necessárias ao desenvolvimento das missões.

Os erros cometidos foram compreendidos e perdoados pelas pessoas que viram a boa vontade e a intenção correta daqueles enviados dedicados unicamente ao serviço do povo que o Senhor lhes havia confiado.

A partir de 1903, a Missão de Tuthu contou com a presença das Irmãs Vicentinas, cedidas pelos superiores do Cottolengo, que trabalharam ao lado dos missionários da Consolata no Quênia por mais de 20 anos. Uma cruz de ferro com o nome da Irmã Vincenza gravado, permanece em uma colina a poucos quilômetros de Tuthu. É a memória do serviço daquelas religiosas em favor do povo. A saída das Irmãs de Tuthu em 1909, impulsionou o processo de fundação do Instituto das Missionárias da Consolata em 1910.

O batismo do “Chief Karuri” e de sua esposa com os nomes de José e Consolata, sela uma aproximação com o povo na confiança mútua que, com o tempo, transformou Tuthu em um centro de irradiação da fé cristã em outras regiões chegando até o Norte Quênia. De Murang’a os missionários da Consolata chegaram a Nyeri, Nanyuki, Isiolo, Meru e depois a Embu. Hoje, a vitalidade das várias comunidades cristãs continua a contribuir decisivamente por meio da educação, orfanatos, dos centros de saúde e de muitas outras atividades sociais e econômicas.

Celebrazione nel Santuario N. S. ConsolataMissa de Ação de Graças

Após 117 anos, no dia 02 de março de 2019, a Direção Geral celebrou uma Eucaristia na Capela do Memorial. Estava presente também, o P. Luigi Brambilla, atual pároco do Santuário N. S. Consolata de Tuthu, do qual nasceram outras 31 paróquias na diocese de Murang’a.

O Superior Geral, padre Stefano Camerlengo, presidiu a missa e em sua homilia destacou: “Esta é uma visita histórica, pois não é sempre que a Direção Geral completa viaja para uma região. Acima de tudo, porque a Missão de Tuthu representa o início de nossa missão em terras africanas. Não podemos, como missionários da Consolata, esquecer isso, porque um povo sem memória não pode viver”, observou padre Stefano, “assim como para o Instituto, a memória histórica é garantia do futuro”.

Na missa, foram recordadas as diferentes situações de sofrimento e conflitos onde o Instituto está presente como na Venezuela, República Democrática do Congo, Costa do Marfim …. Em oração, a Direção Geral recordou todos os missionários que passaram por Tuthu e aqueles que evangelizaram o Quênia entre os povos nômades, os camponeses e os habitantes das cidades.

“Sob a cruz rezemos para encontrar a força e a coragem a fim de reinventar o estilo missionário de nossas comunidades, conscientes de que olhando para o passado, vamos construir o futuro, por meio de um esforço diário, convencidos de que o melhor para o Instituto e para a missão ainda está por vir”, conclui o Padre Geral.

A ambiente místico que envolve os lugares da memória de Tuthu, inspira e emociona. O Conselheiro Geral para a África, padre Godfrey Msumange, recorda que “aqui estamos nas nossas raízes. Eu gosto de imaginar 117 anos atrás. Coloco-me na pele dos primeiros missionários. Certamente eles eram determinados, corajosos e cheios de zelo. Em meio a mil desafios, animados pela fé e pelo amor de Deus, eles superaram tudo. Quantos sacrifícios!”, exclama P. Msumange. “Justamente por isso que o verdadeiro nome deles é paixão missionária, amor, coragem, é um dom. Sim, ao Senhor, mas sobretudo aos irmãos e irmãs”.

Padre Mino Francesco Vaccari, missionário no Quênia por muitos anos, chegou da Missão de Rumuruti para se juntar à comunidade. Durante a oração das laudes, a partir de sua experiência com emoção, ele partilha: “Este lugar é muito importante para o Instituto e a história da missão no Quênia, por isso temos de mantê-lo como centro de irradiação da fé. É a primeira vez que eu encontro toda a Direção Geral reunida desta maneira. Parece viver na época dos apóstolos que eram unidos como em uma família. Sentir a proximidade da Direção Geral é uma bênção para mim e para todos”, diz padre Vaccari.

Aproveitando essa confiança, padre Stefano acrescenta que “o exemplo dos primeiros missionários indica claramente que não somos apenas comunidades para a missão, mas comunidades em missão. Somos instrumentos do Espírito, o único que move corações e é capaz de transformar as pessoas e a história. Missão é ouvir o coração do povo, é transmitir a experiência da ternura de Deus e da compaixão de Jesus, sobretudo aos fracos e marginalizados”.

Chiesa Santuario N. S. ConsolataSão palavras sábias inspiradas nos ensinamentos da experiência de Tuthu para a missão de hoje. De acordo com o Conselheiro Geral para a Europa, padre Antonio Rovelli, “a memória não deve ser um mero conjunto de recordações, mas como Tuthu nos ensina, um valor mantido a partir do futuro. A memória do heroísmo dos primeiros missionários deve revitalizar a vida dos Missionários da Consolata hoje e dar um novo impulso e entusiasmo para a evangelização”, lembra padre Rovelli e complementa: “valorizar a memória de Tuthu significa fazer todos responsáveis pelo passado para nos lançar em direção a outras etapas da Missão Universal”.

Ao concluir a visita, o Superior Geral, transmitiu uma palavra de esperança para todas as comunidades IMC no mundo: “Que o exemplo dos primeiros quatro missionários de Tuthu sirva de incentivo para reinventar a arte de viver juntos por meio de um permanente êxodo do eu em direção às seguintes atitudes: acolhimento, diálogo, fraternidade e corresponsabilidade na missão”.

O Instituto, fundado em 1901 em Turim, na Itália, aos pés da Mãe Consolata, tem mais de cem anos e permanece fiel ao carisma herdado do Fundador. Seguindo os passos dos pioneiros da Missão de Tuthu, ele continua a alcançar novos povos e culturas. Prova disso é a abertura da nova presença em Madagascar. Hoje, os missionários do Allamano somam 950, dos quais 463 são africanos. Estão presentes em 28 países da África, América, Ásia e Europa. A Consolata é a protagonista de tudo isso com seu silêncio, sua escuta e sua doação!

* Conselheiro Geral para a América

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Relacionados

slot online situs slot gacor slot online slot gacor slot gacor situs judi slot gacor situs judi slot online situs judi toto slot gacor slot gacor judi slot slot online slot online judi slot slot gacor situs slot slot gacor 2022 slot gacor slot gacor slot gacor slot gacor slot gacor slot gacor situs slot gacor slot gacor https://cedu.uninorte.edu.co/wp-includes/ https://web.ics.purdue.edu/~asub/wp-includes http://blog.iconect.pctguama.org.br/ https://votoinformado.unam.mx/wp-includes https://epay.guaynabocity.gov.pr/epay/wp-includes https://reclamos.sistemasmlh.gob.ar/css/ slot pulsa slot deposit pulsa http://statconfig.sci.unhas.ac.id/assets/nexus-slot http://icob.sci.unhas.ac.id/nexus-slot/ https://www.aris.sc.gov.br/frontend/web/images/ https://aptta.org.ar/wp-includes/ https://icvb.org.tr/wp-includes https://filba.org.ar/images/ https://apps.santaisabel.sp.gov.br/ https://santaisabel.sp.gov.br/esd/ https://tzg.ttf.unizg.hr/wp-includes/ https://iif.edu/images https://mannaandbaby.or.jp/wp-content/uploads/slot-gacor/ toto slot gacor toto slot gacor toto slot gacor toto slot gacor toto slot gacor

Link partner: 77lucks dewagg liveslot168 hoki99 luck365 qqmacan kingceme agen338 maxwin138 javaplay88 slot5000 idngg vegas88 gen777 mild88 kaisar888 gem188 ligaplay88 laskar138 slotsgg toto togel toto slot bet88 infini88 pg slot idn poker sbobet judi bola slot88 warungtoto pokerseri vegas77 vegasslot77