Pontifícia Obra da Infância Missionária: a família como lugar de formação para a missão

As consequências da pandemia afetaram as atividades da Pontifícia Obra da Infância Missionária, como observou a Irmã Roberta Tremareli, AMSS, Secretária-Geral da Obra, em seu relatório à Assembleia Geral das POM: “O que vivemos no início do ano passado com a pandemia, persiste até hoje, e esta nova realidade continua a nos desafiar em nossa missão, impedindo-nos de adormecer em propostas e instrumentos padronizados e consagrados, nos pedindo para nos deixar renovar, com a ajuda do Espírito, a nossa presença na Igreja e no mundo ”.

O isolamento devido às normas preventivas de saúde permitiu aos pais, em muitos casos, descobrir o seu papel como “sujeitos de evangelização, formação e trabalho missionário”, explicou a Irmã Roberta. “Com a colaboração das crianças e dos jovens na espiritualidade e na oração, eles puderam recuperar, em muitos contextos, o papel de primeiros agentes pastorais de formação na fé”. Outro aspecto que emergiu deste período particular é o papel das redes sociais para a animação missionária, “visto que a criança e o jovem não são sujeitos passivos no seu uso, mas ativos, interagem, mesmo em ambiente virtual, com outras pessoas com quem você compartilha um carisma e um objetivo. Como na ideia original do Fundador, Dom Charles de Forbin Janson, segundo a qual envolver crianças e jovens em propostas missionárias tinha o propósito de torná-los protagonistas, todas as interações midiáticas desenvolvidas neste período de pandemia estão dando bons e longos frutos duradouros, que mostram a sua utilidade”.

A seguir, a Secretária-Geral da Obra destacou alguns aspectos que surgiram neste período de emergência e de atividades “fora do comum”, como a vontade de “aprender novas estratégias, novos caminhos para o bem da Igreja e de Deus”; o compromisso de se renovar no dia a dia “saber responder às novas instâncias que surgiram no contexto atual, saber captar as dúvidas e necessidades das pessoas, poder continuar no cuidado constante, estando atento a outras”; a busca de meios mais adequados para ajudar as pessoas a viver esta etapa da vida à luz do Evangelho; a redescoberta de nossa “catolicidade” entendida não apenas do ponto de vista geográfico.

“Certamente, a oração foi o instrumento mais utilizado e promovido durante este tempo e estamos felizes por ter feito dela uma prioridade na nossa ação missionária”, sublinhou Irmã Roberta, que também reiterou a importância das redes sociais para manter ou estabelecer relações, informações, investigar os problemas, apoiar os mais fracos. Esta questão, porém, exige uma formação mais sólida em termos de conteúdo: “o que se faz nas redes sociais fica nelas para sempre e não podemos correr o risco de ser superficiais quando se trata de Jesus, do Evangelho, da Igreja e da missão, crianças e jovens.”

“O rádio, a televisão, o Facebook e outros meios de comunicação podem chegar também aos destinatários que ocasionalmente os acessam naquele momento e ouvem uma palavra que pode mudar suas vidas e, assim, envolvê-los na atividade missionária da Igreja”. Na esperança de um retorno progressivo à normalidade, certamente não é possível prescindir da integração dos meios de comunicação modernos com os meios tradicionais de animação e formação, pois “um não exclui o outro e juntos ajudam e sustentam a ação missionária”.

Ir. Roberta Tremarelli indicou alguns dos desafios que o IAM enfrenta hoje, convidando os Diretores Nacionais das POM a acolhê-los em seus contextos locais. Em primeiro lugar, “promover a consciência da responsabilidade missionária universal no contexto da família como Igreja doméstica”.

Um segundo desafio, não só para a Infância Missionária, mas para todas as POM e a Igreja hoje, é a sinodalidade, isto é, caminhar juntos, buscando a comunhão com os diversos sujeitos e comunidades eclesiais. Para a IAM, isso significa não se concentrar apenas nos grupos da Infância Missionária, onde eles existem, mas abrir-se a todas as crianças e jovens. Depois, para motivar os movimentos, associações e novas comunidades presentes na esfera eclesial local, para dar maior impulso à cooperação missionária: espiritual, vocacional e material. Por último, foram confirmadas as reuniões a nível continental dos Directores Nacionais e Secretários Nacionais da IAM, que decorrerão de 21 a 25 de Junho. “A troca de experiências nos enriquece mutuamente, fortalece-nos naquilo que acreditamos e testemunhamos, abre os nossos corações e mentes, e permite-nos melhorar os nossos conteúdos e métodos de comparação e diálogo”, concluiu a Secretária-Geral do IAM.

Fonte: Agência Fides

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Relacionados