Pe. Badacer Neto: “Sinto uma vibração em todo meu ser me impulsionando a ir”

Após um período de pouco mais de quatro anos colaborando com a secretaria nacional da Pontifícia Obra da Propagação da Fé (POPF), Pe. Badacer Neto se despede da função, deixando para trás uma intensa trajetória vivida junto às atividades missionárias da Obra. Em sua bagagem, leva a experiência de estar envolvido com a juventude, as famílias e os idosos, animando em todo o Brasil uma rede de oração e solidariedade pela missão em todo o mundo.

POM: Chegando a esse final do percurso em que esteve à frente da secretaria nacional da POPF, ao olhar para trás, qual o sentimento que define esse período?
Pe. Badacer: Sentimentos são sempre bem presentes e muito determinante em minha vida e na conclusão desse ciclo, o sentimento que me invade e norteia é a gratidão por este tempo tão intenso e bonito que me foi presenteado viver com todas as pessoas que fazem a POPF. Desde as juventudes, passando pelas famílias, os idosos e enfermos e a própria equipe das Pontifícias Obras Missionárias e seus colaboradores e colaboradoras. Sinto também que há um universo de possibilidades me chamando a vivenciar e aprofundar a experiência do Encontro que teve seu já faz algum tempo, quando me percebi envolvido por Jesus Cristo que me abriu e continua a abrir vastos horizontes… Sinto uma vibração em todo meu ser me impulsionando a ir…

POM: Quais projetos/ações realizadas você destaca positivamente?
Pe. Badacer: Seria injusto destacar este ou aquele ponto. Tudo o que vivenciamos e fizemos acontecer tem o seu valor único, sua intensidade, seu brilho que faz com que a POPF possa cumprir sua vocação. Mas fiquei muito contente com a publicação do subsídio que ajudará a atividade dos Idosos e Enfermos Missionários, sobretudo, porque possibilita trazer para o centro tantas pessoas que após anos de contribuição à evangelização, acabam por ficarem “esquecidas” devido as condições físicas. Tudo foi muito lindo, no geral. Isso que importa para mim.

POM: Existe algo que poderia ter sido diferente ou melhor, ou que não conseguiu ser realizado?
Pe. Badacer: Tudo poderia ser diferente se fosse outra pessoa, outro contexto. Não gosto de pensar assim. O que vivenciei com a turma e tudo o que conseguimos realizar era o que nos foi concedido fazer. Fizemos o melhor, o mais bonito e o mais verdadeiro que podíamos. Com certeza não somos perfeitos, às vezes as circunstâncias podem nos empurrar para outros caminhos como aconteceu agora com a pandemia. Tivemos que reelaborar a caminhada, ressignificar muitas coisas, mas ainda assim tentamos fazer o melhor. Talvez tenha nos faltado só um pouco mais de poesia…

POM: Como você avalia o importante papel da POPF na Igreja do Brasil, sendo uma forte animadora da missão em seus diferentes contextos?
Pe. Badacer: A POPF tem um tamanho gigante e uma missão inspiradora. Não é a toa que ela foi a 1ª e, talvez seja, a maior rede de orações e solidariedade que temos. Consegue sintetizar o que significa fé e vida, quando nos convida a estar em comunhão espiritual com Deus e com todos os povos e nos abre ao compromisso concreto de solidariedade com os que são colocados a margem dos caminhos. Penso que a Igreja do Brasil necessita descobri-la e segura-la pelas mãos.

POM: Que mensagem você deixa às lideranças das atividades que compõem a Obra?
Pe. Badacer: Aos irmãos e irmãs que perseveram na vivência da POPF, sejam jovens, idosos e enfermos ou famílias, peço que se deixem inundar pela inspiração da jovem Paulina Jaricot que concretizou a POPF e que busquem, onde quer que estejam, contribuir na construção da fraternidade universal que favorece vida para todos. Isso tornará Jesus Cristo amado e conhecido.

POM: Quais os desejos ao novo secretário nacional, Pe. Genilson Sousa?
Pe. Badacer: Ao Pe. Genilson só posso dizer que esteja aberto a dinâmica da POPF, que seja cuidadoso com o emaranhado das estruturas e que seja feliz nesta etapa de seu ministério e de sua vida, pois a missão é uma paixão por Jesus Cristo e, simultaneamente, uma paixão pelo seu povo. Conte sempre com minhas orações. Aquele abraço e muitos risos sempre!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Comentários

5 respostas

  1. Pe. Badacer, “Tudo vale a pena quando a alma é grande”, e a tua foi e é grande grande. Outros horizontes missionários te esperam. Mãe Maria.te acompanhe. Grande abraço.

    1. Vai Missionário do Senhor, vai trabalhar na messe com ardor… Obrigado pelo tempo junto, fico com a última recordação do congresso na Bolívia Abraços fraternos.

  2. Imagino o misto de sentimentos quando se deixa uma missão e se abrem outros caminhos. Linda, a entrevista. Parabéns padre Badacer. Avante! Risos sempre!

  3. Imagino o misto de sentimentos quando se deixa uma missão e se abrem outros caminhos. Linda, a entrevista. Parabéns padre Badacer pelo trabalho realizado e por estar aberto aos apelos divinos. Avante! Risos sempre!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Relacionados