Jubileu paroquial incentiva crianças e adolescentes a serem missionários

A Paróquia Santa Teresinha em Campos (RJ), está vivendo a comemoração do Jubileu de Prata. Diante da pandemia, a comemoração foi adaptada, sem grandes eventos, mas com a experiência da Infância e Adolescência Missionária. Um projeto que serve de exemplo à comunidade e representa o cuidado. De suas casas, e com atividades realizadas pela Internet, mas com o mesmo cuidado de serem missionários e evangelizadores de uma igreja em saída.

A Paróquia Santa Teresinha em Campos (RJ) está completando 25 anos. Os eventos foram restritos a capacidade da matriz e com todos os protocolos sanitários. E neste tempo de medo e incertezas o exemplo de fé vem das crianças da Infância e Adolescência Missionária que continuam realizando suas atividades pela Internet. Missionários de uma igreja em saída e da cultura do cuidado e do encontro.

A Infância e Adolescência Missionária foi implantada na Paróquia Santa Teresinha em julho de 2016 e reúne crianças e adolescentes na faixa etária de 11 a 13 anos. Um desafio que foi aceito pela catequista Kátia Cristina Trindade da Silva Duarte. Com a pandemia, todos os encontros acontecem pela Internet. As 30 crianças e adolescentes participam de momentos de formação envolvendo as famílias. Para a catequista o desafio e os frutos do trabalho missionário que promove uma igreja em saída.

“Lembro-me que no primeiro dia de encontro foi uma emoção inenarrável, pois tinha aproximadamente quase 42 adolescentes, e a maior preocupação era em fazer com que tudo saísse a contento de maneira que todos voltassem no próximo sábado e que com isso começassem a participar assiduamente. Tudo era muito novo e satisfatório, passamos a nos reunir todos os sábados até que em um determinado período sentimos a necessidade de ser uma Igreja em Saída, foi então que se deu inicio a nossa missão de sair da nossa zona de conforto e começar a conhecer a realidade de nosso território paroquial, daí por diante começamos a sair em missão”, relata.

Vencendo os desafios

Kátia recorda que quando começaram o cuidado e a preocupação do planejamento para reunir os adolescentes por irem para as ruas nesta missão de evangelizar e a responsabilidade com todos, mas os desafios foram sendo superados e hoje é tempo de perceber que este projeto cresceu e continua atraindo crianças e adolescentes e esta missão atinge familiares

“Graças a Deus e muita intercessão a Santa Teresinha e a São Francisco Xavier a nossa missão começou com o pé direito e foi muito satisfatória a visita que fizemos, nós tínhamos e temos até um foco muito importante que é o de não permitir que nenhum de nossos adolescentes se perdessem. Quando sentíamos a falta de uma de nossas crianças logo entravamos em contato com um dos responsáveis e agendávamos uma visita, e la ia aquele grupão pelas ruas de nosso bairro para tentar trazer nosso amigo ou amiga de volta. Tínhamos a grande missão de levar aos nossos filhos (Adolescentes da IAM) a importância de terem feito a Primeira comunhão e continuar perseverando na vida de nossa Igreja”, destaca.

Os encontros acontecem aos sábados e obedecem a programação. Na primeira semana, formação. Na segunda realidade paroquial, terceira espiritualidade e na quarta a celebração da missão e o planejamento do próximo encontro. E neste momento os momentos estão no formato on line, mas continuam acontecendo toda a programação.

“Com essa nova situação tentamos nos organizar e sempre trazer novidades para eles, mas não deixamos de nos encontrar. Este ano sobre tudo está sendo um ano diferente em todos os sentidos, pois a nossa Paróquia Santa Teresinha vive o Jubileu de Prata onde comemoramos nossos 25 anos de Paróquia e 50 anos de história, para tanto com muitas coisas acontecendo, distanciamento social, isolamento social e muitas outras situações nós permanecemos firme esperando em Deus a hora de voltarmos a estar todos juntos como muita alegria e amor”,  conta Kátia.

A missão que desafia, mas acontece como experiência de fé

Kátia confessa que o convite para iniciar a Infância e Adolescência Missionária parecia um desafio, mas aceitou e com a fé e aproveitando para se inspirar em Santa Teresinha decidiu aceitar. Já exercia a missão de ser catequista e era um momento que se lançou a um novo projeto que exigia dedicação e oração.

“Ter sido convidada a coordenar este grupo foi um grande desafio, pois tudo que é novo tende a assustar. Quando fui escolhida, digo escolhida pois na paróquia havia outra tantas catequistas que poderiam desempenhar o papel com maestria nessa missão, para mim foi, muito marcante pois eu já trabalhava na Igreja com a Catequese e naquele momento tomei o conhecimento que iria trabalhar com uma galerinha muito especial. Enquanto todos falavam que trabalhar com adolescentes era muito complicado, que eles não respeitam ninguém, chegando até mesmo os tratando como o famoso estigma de carregarem a denominação de Aborrecentes. Mas com o convite desafiador eu me coloquei aos pés de Jesus e entreguei esta nossa missão e que Ele iria com certeza está sempre ao meu lado, fui até a imagem de minha padroeira a armadíssima Santa Teresinha, a qual com o tempo descobri que ela é a padroeira da nossa caminhada, a felicidade foi tamanha pois me senti ainda mais abraçada. Levantei a cabeça sempre em oração fui em frente e hoje a vida só me trouxe alegrias”, relata Kátia.

A devoção a Santa Teresinha exemplo de missionária

A Padroeira da Paróquia, Santa Teresinha inspira as crianças e adolescentes. Thiago Lucas, 13 anos, além da devoção tem uma história pessoal com a santa. Nasceu do dia de sua festa e todos os anos participa da Santa Missa para agradecer pelo dom de sua vida. Descobriu no movimento a importância de levar a alegria do Evangelho as crianças e adolescentes afastados de Deus por não saberem que são amadas e acolhidas na igreja. Para a mãe Thatiana Barbirato Pontes ressalta o compromisso do filho em ajudar as crianças e adolescentes que se afastam da igreja logo que fazem a primeira comunhão.

“Desde a primeira comunhão que meu filho assumiu o compromisso de ajudar na evangelização de seus amigos que muitas vezes estavam sem participar das atividades da igreja e sempre procurava junto com os demais adolescentes ajudar a essas crianças a retornarem a participação na vida da comunidade. Thiago é um menino responsável dos compromissos da Infância e Adolescente missionária de nossa paróquia”, disse.

Missão assumida por crianças e adolescentes que imitam Santa Teresinha, a Padroeira das Missões. Maria Natalia, 12 anos relata que após a Primeira Comunhão passou a participar da Infância e Adolescência Missionária e se sente mais perto de Deus e com alegria de levar a Palavra de Deus as crianças e adolescentes que não conhecem e precisam sentir amadas pelo Deus misericordioso e acolhidos em sua igreja.

“Antes da Pandemia eram realizadas visitas as casas dessas crianças para resgatá-las e que possam sentir amadas e acolhidas. Porem, hoje, devido a Pandemia estamos realizando nossos encontros virtualmente, mas com a mesma finalidade de espalhar o Evangelho de Jesus e levá-lo as crianças e adolescentes. Devemos lembrar que a Padroeira das Missões atingiu o mundo sem ter saído do Carmelo, sem usar a Internet como no nosso tempo e perseverou no amor a Jesus, na oração, na oração a Nossa Senhora. Com Santa Teresinha eu aprendi que as dificuldades desse tempo não podem impedir que eu continue na missão de servir a Jesus e trazer as crianças para perto dele”, relata Maria Natália.

Por Ricardo Gomes, Diocese de Campos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Relacionados