No caminho da beatificação: A cura de Mayline, o milagre atribuído à Pauline Jaricot

“É a dor mais violenta que Nathalie, minha esposa, e eu sentimos. É como se estivéssemos sendo esvaziados por dentro e nada tivesse mais significado ou sabor”. Sobre esse período, Emmanuel, pai de Mayline, a jovem cuja cura foi reconhecida pela Igreja como um milagre atribuído a Pauline Jaricot, abrindo caminho para sua próxima beatificação, ainda se lembra hoje com uma emoção muito forte.
Estamos em maio de 2012. Com apenas 3 anos e meio de idade, a pequena Mayline é vítima de asfixia. Devido ao trânsito inadequado de alimentos – um pedaço de linguiça preso na garganta – a criança está engasgada. “O coração dela parou nos meus braços”, lembra Emmanuel, seu pai.

sans-titre5-1A ajuda chega e as pessoas tentam reanimar seu coração. A menina, que sofreu inúmeras paradas cardíacas a caminho do hospital, foi finalmente diagnosticada. “Fomos informados de que sua condição neurológica era irreversível e sua morte iminente”, continua o pai. Nos dias que se seguem, as consultas médicas se multiplicam, mas o resultado parece inevitável: a situação em que se encontra Mayline é desesperadora. “Depois de fazer uma ressonância magnética, os médicos nos disseram que, se ela não morresse agora, ela morreria nas próximas semanas”.

Mayline abre os olhos nos dias seguintes ao acidente. “Mas percebemos que ela não estava mais lá, como se alguém tivesse apagado a luz”, lembra Emmanuel. “Com minha esposa nos olhamos e…”. Nenhuma palavra é forte o suficiente para descrever esse sentimento de “ser esvaziado de tudo, de não sentir nada”, continua o pai.

Ao mesmo tempo, ou seja, cerca de quinze dias após o acidente, os pais dos alunos da escola de Mayline decidiram lançar, com Mons. Barbarin, uma novena à venerável Pauline Jaricot. A diocese de Lyon, comemorava o 150º aniversário do nascimento da venerável Pauline Jaricot, que deu a conhecer a seus contemporâneos a importância da missão da Igreja no mundo. A novena termina em 23 de junho. Naquele momento, Mayline está em coma, com assistência respiratória e alimentação artificial, com um tratamento de estimulação do coração que a levou a uma embolia pulmonar, com fortes convulsões. Os médicos, então, decidem interromper o tratamento. Mas os pais da menina querem que Mayline continue sendo alimentada artificialmente.

No início de julho, a Mayline foi transferida para Nice. Seu pai acaba de mudar de emprego; a família se muda também. Antes da transferência, porém, a menina recebe o sacramento da unção dos enfermos “para que possa ser recebida por Deus, da melhor maneira possível”, afirma o pai. Embora ela esteja em estado vegetativo, com uma forte deterioração de seu estado cerebral, a menina não desiste de viver. Mas, uma vez em Nice, quando a veem novamente, seus pais sentem que algo mudou. “Estávamos procurando um caixão para Mayline, depois do que os médicos nos disseram”, explica Emmanuel. “Mas, vendo-a novamente no hospital de Nice, tivemos a impressão de que havia algo diferente, como se ela estivesse voltando à vida”.

Os médicos de Nice estão pessimistas, a princípio, mesmo reconhecendo, diante dos pais, que a condição de Mayline realmente mudou. Descartam o diagnóstico vital; eles preveem uma vida em estado vegetativo para a jovem. Mas, para a surpresa de todos, semana após semana, ela finalmente volta à vida. Ela se recupera e está de boa saúde para surpresa da equipe médica. “Os médicos nunca foram capazes de nos explicar o que estava acontecendo”, explica o pai de Mayline. No final de 2012, Malyline podia, finalmente, ser liberada do hospital quando se aproximavam as férias de Natal.

Emmanuel ainda se lembra, com precisão, de ter encontrado, alguns dias depois, o médico que tratava Mayline, no hospital. “Era 22 de dezembro, em meio às últimas compras de Natal. Eu estava com Mayline na rua quando passamos um pelo outro. Nos cumprimentamos e, olhando para Mayline, pedi que o médico me explicasse porque me informaram que ela iria morrer ou, se não morresse, só seria capaz de abrir os olhos e não teria nenhuma percepção do ambiente. No entanto, ela estava viva, como qualquer garota da sua idade!”, resumiu o pai. O médico respondeu: “Imagine que você está dirigindo, na estrada, e o motor do carro para porque ficou sem gasolina. Impossível prosseguir, não é? Foi isso que aconteceu com Mayline; mas o carro foi ligado novamente”.

123790_milagroO inquérito de cura
Com Mayline, sã e salva, seus pais estão convencidos da intervenção da venerável Pauline Jaricot em favor da cura de sua filha. “Hoje, rezo diariamente a Deus, a Maria e a Pauline Jaricot. Em minhas orações, não peço mais nada, apenas agradeço e rendo graças”, afirma o pai de Mayline.

Este maravilhoso acontecimento foi examinado, durante uma investigação diocesana, em 2019, antes de ser remetido à Congregação para as Causas dos Santos. Seu conselho médico reconheceu o milagre da cura como um fato inexplicável. A comissão teológica, por sua vez, atestou a intervenção da venerável Pauline Jaricot na cura.

A intervenção de Pauline, que tanto contribuiu para difundir o espírito missionário e a missionariedade da Igreja no mundo daquela época, é um verdadeiro sinal de que suas inspirações e ações continuam válidas, mesmo após sua morte. Esse milagre, inexplicável aos olhos dos homens, é uma prova da sua intercessão, junto de Deus, para todos aqueles que acreditam firmemente. Pauline Jaricot manifesta novamente ao mundo, desta vez em pleno século XXI, que a Igreja tem necessidade que os cristãos, discípulos-missionários, sejam fortes na fé e perseverantes na esperança ancorada em Deus.

Fonte: https://fr.aleteia.org/2020/05/29/la-guerison-de-mayline-le-miracle-qui-a-permis-la-beatification-de-pauline-jaricot/

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Relacionados