Ministério de guardiões ecológicos na Arquidiocese de Palmas (TO)

A Arquidiocese de Palmas, como fruto do Sínodo para Amazônia, como uma ação de seu Jubileu de Prata e do Projeto de Energia Fotovoltaica, instituiu para todo o seu território, o Ministério de Guardiões Ecológicos. Esta sugestão saiu de um dos Currículos Menores, no Sínodo para a Amazônia, do Grupo 11, do qual eu, dom Pedro, era coordenador. Voltando para Palmas, a Capital mais jovem do Brasil, que possui um traçado urbanístico ecologicamente interessante, trouxe, na minha bagagem, este desejo, este sonho é esta sede, qual sementinha que acabo de plantar nesta terra de missão. Esperando que tenha força suficiente para brotar, crescer, florescer e der frutos bons, a exemplo da semente plantada pelo semeador, em terra boa (Mt 13,1-23).

Depois de um período, mesmo que breve, de formação, em parceria com a REPAM Brasil e a UniCatólica, resolvemos criar este Ministério, para atuar na educação, sensibilização, prevenção, cuidado, proteção, defesa, promoção e produção de significados, atividades e de subsídios, em prol da ecologia integral e da nossa conversão ecológica.

Este é um dos sonhos do Papa Francisco que queremos assumir como nosso. Sonho é querer, é desejo é sede.

As crises climáticas, pelas quais passamos, em todos seus aspectos e em todas as suas dimensões e incidências, em muitos casos irreversíveis e, em parte, causadas por ações humanas, liga o sinal vermelho de alerta de que, se não fizermos nada agora, mais tarde será tarde demais.

Como qualquer outro ministério, na Igreja, este é um serviço pastoral, digno deste nome. O “Deus Criador de todas as coisas, visíveis e invisíveis”, certamente está sendo desrespeitado e descredenciado por nós, seus filhos e suas filhas, quando não cumprimos a missão, com qual fomos criados: ser guardiões das obras da sua criação.

A seca cresce, a fonte seca, o fogo queima, a mata é desmatada, e verde vira cinza, o calor aumenta, a fome impera e a vida morre…!

Ainda estamos no começo da formatação deste Ministério. Tudo deve começar pela paróquia e seus entornos. Esta é a primeira sala da Casa Comum. A primeira missão deles é o cuidado ecológico nos ambientes em que vivem , rezam e trabalham. Mais tarde pensaremos ações interparoquiais e arquidiocesanas. Fazendo estes serviços de limpeza, de purificação, desintoxicação e de cuidando dos espaços paroquiais e de seus entornos, estarão prestando serviços à Arquidiocese como um todo.

Ainda temos muitos o que aprender. Mesmo assim decidimos socializar esta experiência para que outras Igrejas possam participar e se somarem a nós, na defesa incontestada da nossa Casa Comum. Ela está correndo sérios perigos de morte. Quem desmata mata. A destruição da natureza incide diretamente sobre a nossa qualidade da vida, a nossa saúde, a nossa economia e sobre a nossa própria autodestruição.

Ser humano é ser ecológico. E ser ecológico é ser humano. Esta maldita pandemia do coronavírus, a covid-19, é, sem dúvida, fruto deste desequilíbrio ecológico.
Todos, enfim, em defesa do Ministério de Guardiões Ecológicos.

“Quem respeita a natureza vive muito mais feliz”.

“Eis que faço novas todas as coisas” (Ap 21,5).

Dom Pedro Brito Guimarães
Arcebispo de Palmas

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Relacionados