Mês Missionário Extraordinário: A missão tem uma Igreja

Por Pe. Jaime Luiz Gusberti*

O Papa Francisco, desde o início de seu pontificado, tem-nos instigado a ser Igreja em saída, próxima às pessoas. Percebe-se que o coração dos cristãos tem aquecido, cada dia mais, a continuar com a Alegria do Evangelho, cultivar uma profunda “paixão por Jesus Cristo e simultaneamente pelo seu povo” (EG 268). Essa alegria cresce com a leitura dos escritos (Exortação Apostólica pós-Sinodal Evangelii Gaudium, Gaudete Et Exsultate, Christus Vivit e a Carta Encíclica Laudato Si), sempre na perspectiva de construir pontes que integram, a fim de chegarmos às periferias geográficas e existenciais.

Em 2017, o Papa Francisco nos convidou a viver, em outubro do ano de 2019, o Mês Missionário Extraordinário com o tema Batizados e enviados: A Igreja de Cristo em missão no mundo.
Na Exortação Apostólica aos jovens, o Papa Francisco lembra “Que os jovens sejam sempre missionários, e missionários com a própria vida e com experiências concretas de missão: de visitar casas, de transmitir a sua fé e seu sentido de pertença à Igreja” (Exortação Apostólica: Cristo Vive, Aos jovens e a todo o povo de Deus, 239).

Oferecemos a seguir alguns pensamentos para aprofundar a reflexão em torno do que é a essência da Igreja, a missão:

A origem da missão é o amor fontal de Deus (AG 2)
Fundamenta-se na Trindade, a origem da natureza missionária da Igreja (LG 1 e AG 2). Deus é continuamente em saída. “Ele nos amou primeiro” (1Jo 4,19) e vem ao nosso encontro. A iniciativa é sempre de Deus. O Livro do Êxodo destaca seis verbos que mostram que o nosso Deus é em saída, está em missão: ver/miséria; ouvir/socorro; conhecer/sofrimento; descer/entrar na história e caminhar com seu povo; libertar/cativos; conduzir/à terra prometida (cf. Ex 3,7-15).

A missão nasce do encontro com um acontecimento, com uma Pessoa, que dá um novo horizonte à vida (cf. DAp 12) e se irradia, expande, dilata, transborda e difunde (AG, 2) em todo o universo. Gera movimento sempre para fora, criando proximidade, conversão e compromisso (cf. Lc 10,25-37). A pessoa do Espírito Santo tem o protagonismo nesse movimento missionário (cf. At 2).
Na missão, a iniciativa é sempre de Deus, pois a obra é de Deus, a missão vem de Deus! É Ele quem impulsiona o crescimento. O fundamento é Jesus Cristo (cf. 1Cor 3,5-11) e o encontro com Ele, o Messias servo que se identifica com os pobres (cf. Mt 25,31ss), quebra o triunfalismo, rompe esquemas que mais servem para fortalecer os nossos projetos que para serem sinal do Reino de Deus.

A identidade missionária da Igreja está no seu ser
O agir da Igreja deve derivar de sua conformidade com Jesus Cristo, missionário do Pai, servo da humanidade. Não são sinais exteriores em termos de organização e de vestimentas que dão a identidade missionária da Igreja, mas ela é construída a partir da ação e da força do Espírito Santo que conduz à unidade. O Vaticano II já nos convidava a voltar às fontes da nossa fé. Mas como colaborarmos para formar e fortalecer a identidade cristã em meio à sociedade plural líquida, onde tudo se desfaz rapidamente? Certamente é a partir da pessoa e missão de Jesus Cristo – do encontro com Ele, que é o caminho, a verdade e a vida; Aquele que se identifica com os pobres – que a missão a nós confiada se fortalece. A missão brota do coração da Santíssima Trindade como identidade da Igreja peregrina e que, por sua natureza, é missionária (cf. AG, n. 2). Por sua vez, a identidade do discípulo missionário nasce do encontro com Jesus Cristo, decisivo e transformador (cf. DAp, n. 29) que nos convida à conversão pessoal e pastoral.

A Igreja é desafiada a primeirear
A Igreja é enviada para continuar a Missão de Jesus Cristo: “Assim como o Pai me enviou, eu também envio vocês” (Jo 20,21).
O Papa Francisco, na Exortação Apostólica A Alegria do Evangelho, chama a nossa atenção: “A Igreja em saída é a comunidade de discípulos missionários que primeireiam, que se envolvem, que acompanham, que frutificam, festejam e tomam a iniciativa!” (EG 24).

A comunidade missionária experimenta que o Senhor tomou a iniciativa, precedeu-a no amor (cf. 1 Jo 4, 10) e, por isso, ela sabe ir à frente, sabe tomar a iniciativa sem medo, ir ao encontro, procura os afastados e chega às encruzilhadas dos caminhos para convidar os excluídos. Jesus lavou os pés de seus discípulos. O Senhor envolve-se e envolve os seus, pondo-se de joelhos diante dos outros para lavá-los; mas, logo a seguir, diz: “Sereis felizes se o puserdes em prática” (Jo 13,17). É um grande desafio que Jesus colocou aos seus e a nós hoje, sobretudo diante da realidade onde vemos “ricos cada vez mais ricos, à custa de pobres cada vez mais pobres” (DPb, n. 30). O papa Bento XVI lembra que “a opção preferencial pelos pobres está implícita na fé cristológica, naquele Deus que se fez pobre por nós, para enriquecer-nos com a sua pobreza” (cf. 2 Cor 8,9; Bento XVI, DAp, p. 273). “O que nos recomendaram foi somente que nos lembrássemos dos pobres” (Gl 2,10). Vivendo esse estilo de vida, a comunidade eclesial se tornará mais santa e missionária. Batizados e enviados: a Igreja de Cristo em missão no mundo.

* Secretário Executivo do Centro Cultural Missionário

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Comentários

Uma resposta

  1. Estou como missionário na zona Rural, fazendo visitas ,levando o Evangelho ,ouvindo as pessoas e nos assentamentos deixamos uma imagem dentro de uma pequena capela onde neste período de pandemia farão o terço durante uma semana e depois passa para casa seguinte isso por tempo indeterminado, e damos assistência sempre quando solicitado e continuemos nossa missão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Relacionados