Dom Odelir Magri: “primeira pós-graduação em missiologia concretiza parte do Programa Missionário Nacional”

O bispo de Chapecó (SC) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Ação Missionária e Cooperação Intereclesial da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Odelir José Magri, participou na manhã desta sexta-feira, 29 de janeiro, da aula de encerramento do 2º módulo da pós-graduação Latu Sensu em Missologia, realizada pelo Centro Cultural Missonário (CCM) em parceria com a Faculdade de Teologia (Fateo) de Brasília (DF).

A disciplina Espiritualidade Missionária, ministrada pelo diretor nacional das Pontifícias Obras Missionárias (POM), padre Maurício da Silva Jardim, encerra o aprofundamento e reflexão do segundo módulo do curso que começou dia 18 de janeiro e aprofundou as seguintes matérias: Teologia da Missão I e II, Fontes Bíblicas da Missão, Missão e Doutrina Social e Missão Ad Gentes e Inter Gentes.

O curso teve início em janeiro de 2020 com um módulo presencial. Este segundo módulo, em razão da pandemia do novo Coronavírus, aconteceu de modo virtual com aulas online. Os 45 alunos assistiram às aulas no período da manhã, das 8h15 às 11h45, e participaram das orientações pedagógicas no período da tarde. A formação prevê ainda a realização de um terceiro módulo de aprofundamento e o trabalho de conclusão da pós.

Missão e formação permanentes

Dom Odelir, que também é vice-presidente do CCM, filial vinculada à CNBB, ressaltou a alegria de ver a concretização da pós graduação em Missiologia, ação prevista como uma das prioridades do Programa Missionário Nacional (PMN 2019-2023) aprovado pelo episcopado brasileiro, em maio de 2019, na 57ª Assembleia.

Ele lembrou que a formação é a quarta prioridade do PMN e prevê a formação dos agentes missionários das comunidades eclesiais missionárias e também a formação de uma rede de assessores. “Queremos envolver todas as dioceses na estratégia de buscar uma Igreja em estado permanente de missão e de formação”, disse.

“Queremos envolver todas as dioceses na estratégia de buscar uma Igreja em estado permanente de missão e de formação”, disse.

O presidente da Comissão para a Ação Missionária da CNBB ressaltou o caráter pioneiro da formação oferecida e disse que os alunos terão o papel de ajudar na criação de Escolas Missionárias pelo país e na produção de uma reflexão mais sistemática e de subsídios para contribuir na caminhada missionária da Igreja no Brasil.

“Os formandos nesta turma pioneira podem prestar um melhor serviço à Igreja, ajudar na formação permanente e na reflexão missionária do povo de Deus”, disse. Para além da formação, ele também apontou como importante a rede de amizade que se cria entre os alunos e em torno da missão. “Se o coração não arde, os pés não se movem”, concluiu.

Fonte: CNBB

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Relacionados