Conversão ecológica: A dimensão socioambiental da evangelização

Por Agenor Brighenti*

O Capítulo IV do Documento Final do Sínodo da Amazônia propõe “novos caminhos para uma conversão ecológica”, dada a atual “crise socioambiental sem precedentes”. O bioma amazônico “está ameaçado de desaparição, com tremendas consequências para nosso planeta”. A única saída é promover uma ecologia integral, que promova “um modelo de desenvolvimento justo e solidário”, em que temos muito que aprender “de nossos irmãos e irmãs dos povos originários” (n. 65).

Conversão urgente antes que seja tarde demais

O Documento adverte que “é urgente enfrentar a exploração ilimitada da casa comum e dos seus habitantes”. Uma das principais causas de destruição na Amazônia “é a atividade extrativa predatória, que responde à lógica da ganância, típica do paradigma tecnocrático dominante” (LS 101). Fator agravante é que “a depredação do território vem acompanhada do derramamento de sangue inocente e da criminalização dos defensores da Amazônia” (n. 67). Nos últimos anos, “os direitos humanos das comunidades têm sido impactados por normas, políticas públicas e práticas voltadas principalmente para a ampliação das fronteiras extrativistas de recursos naturais e para o desenvolvimento de megaprojetos de infraestrutura, que exercem pressão sobre os territórios ancestrais indígenas” (n. 69).

Adverte o Sínodo que “diante da situação premente do planeta e da Amazônia, a ecologia integral não é um caminho a mais que a Igreja pode eleger para o futuro neste território, é o único caminho possível, pois não há outro caminho viável para salvar a região” (n. 67). A ecologia integral é um novo paradigma de justiça, “uma vez que uma verdadeira abordagem ecológica torna-se sempre uma abordagem social, que deve integrar a justiça nas discussões sobre o ambiente, para escutar tanto o grito da terra como o grito dos pobres” (LS 49) (n. 66).O fundamento do novo paradigma está no fato “de que tudo está intimamente relacionado (LS 16). Ecologia e a justiça social estão intrinsecamente unidas” (cf. LS 137), pois “conecta o exercício do cuidado da natureza com o exercício da justiça pelos mais empobrecidos e desfavorecidos da terra” (n. 66).

A dimensão socioambiental da evangelização
Lembra o Documento que o cuidado com a “Casa Comum” tem a ver com a missão da Igreja, com sua missão evangelizadora, deriva de um mandato bíblico: “Deus nos deu a terra como um dom e como tarefa, para cuidá-la e responder por ela; nós não somos seus donos” (n. 66). A crise ecológica atual atesta que a relação do ser humano com a natureza, de “amigável”, passou para “uma atitude voraz e predatória, que tende explorar a natureza até o esgotamento de todos os recursos naturais disponíveis”. Subjacente está “o paradigma tecnocrático tende a dominar a economia e a política” (LS 109) (n. 71). Como se constata, “muitas atividades econômicas, como a mineração em larga escala, particularmente a mineração ilegal, diminuem substancialmente o valor da vida na Amazônia”, pois “atentam contra a vida dos povos e os bens comuns do planeta, concentrando o poder econômico e político nas mãos de poucos”. Fator agravante, é que “muitos desses projetos destrutivos são realizados em nome do progresso, e são apoiados – ou permitidos – por governos locais, nacionais e estrangeiros” (n. 72).

À luz da fé cristã, esta situação constitui “um pecado ecológico, uma ação ou omissão contra Deus, contra o próximo, a comunidade e o meio ambiente. É um pecado contra as gerações futuras”, pois transgrede “os princípios da interdependência” e rompe “as redes de solidariedade entre as criaturas e a virtude da justiça” (n. 82). Evidente que “os protagonistas do cuidado, proteção e defesa dos direitos dos povos e dos direitos da natureza nesta região são as próprias comunidades amazônicas”. Elas querem “que a Igreja as acompanhe, caminhe com elas”, mas que “não lhes imponha um modo particular de ser, um modo específico de desenvolvimento, que pouco tem a ver com as suas culturas, tradições e espiritualidades. Elas sabem como cuidar da Amazônia, como amá-la e protegê-la” (n. 74). Os povos amazônicos são portadores de uma profunda “sabedoria sobre a biodiversidade, uma sabedoria tradicional, que é um processo vivo e sempre em processo”. E contra toda forma de biopirataria, a Igreja deve “ajudar a preservar e manter estes conhecimentos, bem como as inovações e práticas das populações” (n. 76). Papel importante da Igreja é “acompanhar os povos amazônicos no registro, sistematização e difusão de dados e informações sobre seus territórios”, em especial a situação jurídica relativa à demarcação de suas terras (n. 78). Neste particular, é importante a Igreja “criar ministérios para o cuidado da casa comum na Amazônia”, junto às comunidades indígenas (n. 79).

Implementar novos modelos de desenvolvimento
A Igreja precisa contribuir para o reconhecimento do “papel central do bioma amazônico para o equilíbrio do clima do planeta” e “animar a comunidade internacional dispor de novos recursos econômicos para sua proteção e a promoção de um modelo de desenvolvimento justo e solidário”. Neste processo, deve haver “o protagonismo e a participação direta das comunidades locais e dos povos originários em todas as fases, desde planejamento até sua implementação” (n. 68). Para isso, todos, também a Igreja precisa “desaprender, aprender e reaprender, a fim de superar qualquer tendência a modelos colonizadores que tem causado danos no passado”. Infelizmente, o neocolonialismo está “está presente em nossas decisões cotidianas e no modelo de desenvolvimento predominante, que se expressa no crescente modelo agrícola de monocultura”, nos meios de transporte e no modelo de bem-estar a partir do consumo, com implicações diretas e indiretas na Amazônia (n. 81).

É urgente “adotar hábitos responsáveis, que respeitem e valorizem os povos da Amazônia, suas tradições e sabedoria, protegendo a natureza e mudando nossa cultura de consumo excessivo, a produção de resíduos sólidos, estimulando o reaproveitamento e a reciclagem”. Urge “reduzir a nossa dependência dos combustíveis fósseis e uso de plásticos”, bem como mudar “nossos hábitos alimentares (consumo excessivo de carne e peixe/mariscos)”, adotando “estilos de vida mais sóbrios”. É preciso “comprometer-se ativamente no plantio de árvores, buscando alternativas sustentáveis na agricultura, bem como energia e mobilidade que respeitem os direitos da natureza e os povos”. Tarefa importante é “promover a educação para ecologia integral em todos os níveis, implementando novos modelos econômicos e iniciativas que promovam uma qualidade de vida sustentável” (n. 84). Como forma de reparar a dívida ecológica que os países têm para com a Amazônia, o Sínodo propõe “a criação de um fundo mundial para cobrir parte dos custos das comunidades presentes na Amazônia”, na promoção de um “desenvolvimento integral e autossustentável”, protegendo-as “da avidez predatória na extração de seus recursos naturais, através de empresas nacionais e multinacionais” (n. 83).

* Doutor em ciências teológicas e religiosas, especialista em pastoral social e planejamento pastoral

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Relacionados

slot online situs slot gacor slot online slot gacor slot gacor situs judi slot gacor situs judi slot online situs judi toto slot gacor slot gacor judi slot slot online slot online judi slot slot gacor situs slot slot gacor 2022 slot gacor slot gacor slot gacor slot gacor slot gacor slot gacor situs slot gacor slot gacor https://cedu.uninorte.edu.co/wp-includes/ https://web.ics.purdue.edu/~asub/wp-includes http://blog.iconect.pctguama.org.br/ https://votoinformado.unam.mx/wp-includes https://epay.guaynabocity.gov.pr/epay/wp-includes https://reclamos.sistemasmlh.gob.ar/css/ slot pulsa slot deposit pulsa http://statconfig.sci.unhas.ac.id/assets/nexus-slot http://icob.sci.unhas.ac.id/nexus-slot/ https://www.aris.sc.gov.br/frontend/web/images/ https://aptta.org.ar/wp-includes/ https://icvb.org.tr/wp-includes https://filba.org.ar/images/ https://apps.santaisabel.sp.gov.br/ https://santaisabel.sp.gov.br/esd/ https://tzg.ttf.unizg.hr/wp-includes/ https://iif.edu/images https://mannaandbaby.or.jp/wp-content/uploads/slot-gacor/ toto slot gacor toto slot gacor toto slot gacor toto slot gacor toto slot gacor

Link partner: 77lucks dewagg liveslot168 hoki99 luck365 qqmacan kingceme agen338 maxwin138 javaplay88 slot5000 idngg vegas88 gen777 mild88 kaisar888 gem188 ligaplay88 laskar138 slotsgg toto togel toto slot bet88 infini88 pg slot idn poker sbobet judi bola slot88 warungtoto pokerseri vegas77 vegasslot77