CNBB, Repam e Cimi pedem fim de vetos ao PL 1142 que negam direitos a indígenas e povos tradicionais

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou nesta segunda-feira (13) uma carta aberta ao Congresso Nacional para solicitar, o mais breve possível, a realização de uma sessão do Poder Legislativo para que os vetos do presidente Jair Bolsonaro ao Projeto de Lei (PL) nº 1142/2020 sejam analisados e derrubados.

Comissão Episcopal para a Amazônia e Repam dão voz aos últimos
O pedido de rejeição aos vetos ao PL 1142, que dispõe sobre medidas urgentes de proteção social para prevenção do contágio e da disseminação da Covid-19 entre os povos indígenas, as comunidades quilombolas e os demais povos tradicionais, também foi categoricamente feito diante de nota pública em 10 de julho por parte da Comissão Episcopal para a Amazônia da CNBB e a Rede Eclesial Pan-Amazônica (Repam). O texto reforça a intenção do Projeto de Lei que “é justamente criar um Plano Emergencial no combate à Covid-19, estipulando medidas de apoio às comunidades mais vulneráveis de nosso país”, o que já se tornou “questão de vida ou morte” em povoados, aldeias e periferias urbanas onde o vírus já chegou. Unidos ao Papa Francisco para dar atenção aos povos originários ameaçados na Amazônia, a nota traz o comprometimento para que o sonho do Pontífice, de dar voz e promover a dignidade dos últimos, “se torne realidade”.

O apoio incondicional do Cimi
O Conselho Indigenista Missionário (Cimi) também manifestou repúdio, em comunicado público divulgado em 8 de julho, quando descreveu os vetos de Bolsonaro como “alarmantes, sobretudo em tempos de pandemia”, em que “milhares de famílias indígenas, quilombolas e das comunidades tradicionais em todo o território nacional” estão vulneráveis e “condenadas à morte”. E o texto prossegue: “os vetos presidenciais reafirmam o preconceito, o ódio e a violência do atual governo em relação aos povos indígenas, quilombolas e populações tradicionais, negando mais uma vez o que preconiza a Carta Magna do Brasil em seus princípios fundamentais, artigo 3º, inciso IV: promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, de raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação”.

Entenda o Projeto de Lei 1142/2020
O PL n° 1142, convertido em Lei 14.021, então, também cria o Plano Emergencial para Enfrentamento à Covid-19 nos territórios indígenas; estipula medidas de apoio às comunidades quilombolas, aos pescadores artesanais e aos demais povos e comunidades tradicionais diante da pandemia. Em 7 de julho, Bolsonaro sancionou o PL com 16 vetos, entre eles, retirou a obrigação de fornecer acesso à água potável e de distribuir gratuitamente materiais de higiene, limpeza e de desinfecção nas aldeias. O presidente também retirou a obrigatoriedade do Executivo liberar verba emergencial para a saúde indígena, instalar internet nas aldeias e distribuir cestas básicas.

CNBB em defesa dos mais vulneráveis
Na avaliação da CNBB, esses vetos são eticamente injustificáveis e desumanos pois “negam direitos e garantias fundamentais à vida dos povos tradicionais, como, por exemplo, o acesso à água potável e segura, que ‘é um direito humano essencial, fundamental e universal, porque determina a sobrevivência das pessoas e, portanto, é condição para o exercício dos outros direitos humanos’ (Papa Francisco, Laudato Si, 30)”.

A CNBB afirma ainda que os vetos do governo atentam contra a Constituição Federal uma vez que, “ao abolir a obrigação de acesso à água potável e material de higiene, de oferta de leitos hospitalares e de terapia intensiva, de ventiladores e máquinas de oxigenação sanguínea, bem como outros aspectos previstos no PL 1142/2020, como alimentação e auxílio emergencial, os vetos violam o princípio da dignidade da pessoa humana (CF, art. 1º, inc. III), do direito à vida (CF, art. 5º, caput), da saúde (CF, arts. 6º e 196) e dos povos indígenas a viver em seu território, de acordo com suas culturas e tradições (CF, art. 231)”.

Os vetos presidenciais obrigam que a matéria retorne ao Congresso Nacional para uma sessão conjunta entre a Câmara e o Senado. “Esperançosa e vigilante”, a CNBB espera uma “posição forte, decisiva e definitiva em defesa da vida” e, por isso, vai continuar acompanhando o processo.

Confira a íntegra da CARTA ABERTA DA CNBB AO CONGRESSO NACIONAL

Fonte: Vatican News

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Relacionados

slot online situs slot gacor slot online slot gacor slot gacor situs judi slot gacor situs judi slot online situs judi toto slot gacor slot gacor judi slot slot online slot online judi slot slot gacor situs slot slot gacor 2022 slot gacor slot gacor slot gacor slot gacor slot gacor slot gacor situs slot gacor slot gacor https://cedu.uninorte.edu.co/wp-includes/ https://web.ics.purdue.edu/~asub/wp-includes http://blog.iconect.pctguama.org.br/ https://votoinformado.unam.mx/wp-includes https://epay.guaynabocity.gov.pr/epay/wp-includes https://reclamos.sistemasmlh.gob.ar/css/ slot pulsa slot deposit pulsa http://statconfig.sci.unhas.ac.id/assets/nexus-slot http://icob.sci.unhas.ac.id/nexus-slot/ https://www.aris.sc.gov.br/frontend/web/images/ https://aptta.org.ar/wp-includes/ https://icvb.org.tr/wp-includes https://filba.org.ar/images/ https://apps.santaisabel.sp.gov.br/ https://santaisabel.sp.gov.br/esd/ https://tzg.ttf.unizg.hr/wp-includes/ https://iif.edu/images https://mannaandbaby.or.jp/wp-content/uploads/slot-gacor/ toto slot gacor toto slot gacor toto slot gacor toto slot gacor toto slot gacor

Link partner: 77lucks dewagg liveslot168 hoki99 luck365 qqmacan kingceme agen338 maxwin138 javaplay88 slot5000 idngg vegas88 gen777 mild88 kaisar888 gem188 ligaplay88 laskar138 slotsgg toto togel toto slot bet88 infini88 pg slot idn poker sbobet judi bola slot88 warungtoto pokerseri vegas77 vegasslot77