Cardeal Tagle: o missionário conta “uma história de amor” com Jesus

“O encontro com Deus, que tocou nossos corações e fez obras maravilhosas, não pode ser guardado para nós. Como fizeram os apóstolos, também nós devemos compartilhar o amor que experimentamos. O que recebemos de Deus é um presente para os demais. E quanto mais o compartilharmos, mais nossa fé crescerá. Se o guardarmos para nós, ele enfraquece com o tempo. Se o mantivermos em um pequeno grupo, torna-se o assunto de uma elite. Os missionários são inspirados pelo amor de Deus para sair de si, para fora de seus medos, para chegar a todas as nações, geográficas e existenciais. Por um motivo fundamental: a gratidão. São pessoas gratas”, afirmou o cardeal Luis Antonio Tagle, prefeito da Congregação para a Evangelização do Povos, falando na apresentação do Dia Mundial das Missões, realizado hoje, 21 de outubro, no Vaticano.

O Cardeal Tagle comentou a Mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial das Missões, intitulada “Não podemos parar de falar sobre o que vimos e ouvimos” (Atos 4:20), extraída dos Atos dos Apóstolos. E comentou sobre o assunto: “Observando o episódio de Pedro e João, relatado em Atos, podemos nos perguntar: qual é o segredo do zelo missionário dos apóstolos? É a experiência do amor de Deus em Cristo. Eles experimentaram amizade com Jesus, viram como Jesus viveu e compartilhou sua vida. A experiência profunda de Jesus conduz a um ‘estado de missão’ em que a missão é um reflexo de gratidão, não um fardo ou mesmo um ato meramente funcional ou pragmático. É uma expressão de alegria e gratidão a Deus pelas coisas maravilhosas que ele fez por nós. Tendo visto e experimentado tudo isso, os apóstolos são missionários de compaixão e esperança”.

O prefeito de Propaganda Fide sublinhou também que “a espiritualidade e o encontro com Deus são a fonte do missionário, que está sempre enraizado em Cristo”. Este último conta “uma história de amor, vivida com Jesus e traz a compaixão de Cristo ao mundo”. Referindo-se então aos desafios missionários no mundo e na sociedade de hoje, o Cardeal disse que “como diz o Santo Padre, o encontro com Cristo e seu Evangelho gera abertura e comunhão com os outros: a experiência de Cristo não constrói muros, separando-nos dos outros , mas sim empurrando-nos para os outros com alegria, não como conquistadores em um sentido triunfalista, mas no sentido de compartilhar a bondade daquilo que vimos, ouvimos, experimentamos. Devemos resgatar este aspecto: a missão está no coração de todos nós, cada batizado é um missionário do Reino de Deus, a missão é um apelo para todos os batizados”.

O cardeal destacou o trabalho de evangelização em várias áreas do mundo, como a Ásia, de onde ele próprio é originário, onde os cristãos são uma pequena minoria, destacando o valor da «relação pessoal, anúncio e partilha da fé de pessoa a pessoa”; finalmente, referindo-se à evangelização em contextos de tradição cristã antiga como a Europa, que vive tempos de “descristianização”, o cardeal comentou que “antes de tudo é preciso rezar, porque a fé é um dom do Espírito Santo”. O Evangelho ensina-nos a amar, mesmo nos pequenos gestos diários e nas pequenas coisas. Os pequenos gestos de amor não devem ser minimizados, um simples gesto de amor evangeliza”.

Fonte: Agência Fides

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Relacionados