Cardeal Tagle na assembleia das POM: “Na pandemia desperta o espírito missionário de todos os batizados”

“Durante o período doloroso da pandemia, não faltou nossa missão de estar perto dos que sofrem. As Pontifícias Obras Missionárias continuaram a partilhar experiências, puderam compreender o sofrimento de muitos povos através de intercâmbios contínuos, também online. Embora tenhamos sofrido muito como família humana, no entanto, a pandemia não nos impediu de desenvolver nossa atividade missionária ”, disse o Cardeal Luis Antonio Tagle, Prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, falando na abertura da Assembleia Anual das Pontifícias Obras Missionárias (POM), que se celebra digitalmente de 1º a 3 de junho de 2021.

“A ação missionária nasce de uma profunda espiritualidade, como nos lembrou o Papa Francisco: não devemos esquecer o primado da graça do Senhor” , reiterou, lembrando que a pandemia deu “uma grande lição de humildade”, visto que muitos planos e programas pastorais não foram realizados e houve “uma reeducação para confiar na Providência e na graça do Senhor”. “Eles nos ensinaram que a oração é essencial para a animação e a atividade missionária, como vemos em Pauline Jaricot: a animação missionária não está separada de ser discípulos, amigos de Jesus, que nos envia a dar frutos”, reiterou o Cardeal.

Partindo deste quadro, Tagle sublinhou que as POM não são apenas “um organismo de angariação de fundos”, mas que têm a missão de “despertar o espírito missionário que está no coração do batismo, portanto típico de todo batizado. Observando que, muitas vezes, o compromisso missionário é relegado a um grupo de pessoas ou apenas durante o Dia Mundial das Missões, com a coleta relativa, o cardeal disse que, com a pandemia, “voltamos ao cerne da missão, despertando participação missionária nas famílias, lares, escolas, paróquias e locais de trabalho”. Recuperar esta vocação missionária de todos os batizados, “isso se traduz em atos de caridade missionária e de solidariedade para com os pobres e os que sofrem: a coleta é alimentada por esta caridade missionária”, explicou o Cardeal Tagle.

No trabalho de divulgação da Boa Nova, Tagle parou na comunicação que hoje se realiza no mundo digital, convidando a usar as ferramentas da web e das redes sociais para contar histórias e experiências de jovens e leigos missionários que “são exemplos de grande inspiração para a sociedade”. Ele até assinalou que tem havido um aumento geral de pedidos de materiais e conteúdos bíblicos e espirituais para compartilhar no mundo digital, para que as POM possam usar essas ferramentas para o trabalho de evangelização.

Referindo-se ao filósofo e escritor francês Fabrice Hadjadj, ele desafiou a assembleia a refletir sobre a questão: “Como falamos de Deus, como trazemos a Boa Nova?” Não se trata apenas de técnica, atuação ou estratégia para cativar o público, afirmou, porque se a evangelização se reduzir a isso se torna propaganda, distorção, comunicação falha ou apenas retórica. A comunicação missionária parte da dimensão da “missio Dei”, “de Deus comunicando-se com o seu povo, numa relação de amor”. “Deus comunicou-se enviando-nos o Filho, o Verbo, o Verbo que se fez carne”, assim “falou a língua da humanidade”, comentou, convidando-nos a recuperar esta dimensão.

E, antes de comunicar, queria que voltássemos “às experiências que tiram as nossas palavras”, como as “do horror que sentimos face ao mal ou a um bem incrível, que ultrapassa a nossa capacidade humana”. “A sensação de total incapacidade de reação, o espanto”, comentou, “vão permitir-nos comunicar através da oração. O assombro diante do bem prepara a nossa comunicação e quando abrimos a boca é um verdadeiro canto de alegria, de esperança, de que o mundo precisa ”, especialmente os jovens que hoje procuram a autenticidade e a credibilidade dos comunicadores.

“Ao comunicar o Evangelho, devemos nos perguntar se vivemos a Boa Nova do Evangelho, pondo-a em prática e não apenas anunciando-a, pois os jovens, conhecedores da realidade virtual, olham se quem comunica é autêntico, se eles vivem essa mensagem que comunica”, encerrou o Card. Tagle, que conclui convidando a todos a continuarem “comunicando e contagiando as pessoas com a beleza da Boa Nova”.

Fonte: Agência Fides

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Relacionados