Assembleia Eclesial: “um novo passo em um rico processo sinodal”

Nos quatro sonhos, o Papa Francisco “projeta o horizonte de uma evangelização que desafia particularmente esta Assembleia Eclesial”, segundo padre Brighenti.
Padre Modino – CELAM

A conversão pastoral é um conceito que nasceu em Aparecida, e é sobre isso e sua relação com os quatro sonhos proféticos do Papa Francisco na Querida Amazônia que o teólogo brasileiro Agenor Brighenti refletiu no contexto da Assembleia Eclesial da América Latina e do Caribe.

Para ele, “esta Primeira Assembleia Eclesial não é apenas mais um evento”. É um novo passo em um rico processo sinodal na América Latina e no Caribe, que deu à nossa Igreja uma palavra e uma face própria”. Neste sentido, ele coloca sua singularidade no fato de que ela “procura reanimar Aparecida”, que ele define como “uma Conferência que se propõe a dar novo impulso à renovação do Vaticano II”, e ao mesmo tempo como “base da Evangelii Gaudium do Papa Francisco”.

Estamos a caminho de uma segunda recepção da renovação do Vaticano II, de acordo com a teólogo. Esta foi uma das aspirações de Aparecida, retomando uma proposta da Conferência de Santo Domingo, que fala da conversão pastoral da Igreja, segundo o padre Brighenti, que a define como algo que abraça a todos e a tudo. É algo que vem de Medellín, que falou de uma nova evangelização, que foi retomada pelo Papa Paulo VI na Evangelii Nuntiandi.

Conversão integral
A Igreja em contínua reforma é algo presente na Igreja desde os Santos Padres, uma ideia retomada pelo Vaticano II, que exige um retorno às fontes bíblicas e patrísticas. Agenor Brighenti citou dom Helder Camara, para quem “a Igreja precisa mudar constantemente a fim de ser sempre a mesma Igreja de Jesus Cristo”. Indo um passo além, o Sínodo para a Amazônia, onde o teólogo brasileiro foi perito, fala de uma “conversão integral”, que se desdobra em uma conversão pastoral, cultural, ecológica e sinodal, recolhidas no Documento Final, elementos acolhidos pelo Papa Francisco no início da Querida Amazônia, onde as conversões, adquirindo uma dimensão utópica, tornam-se sonhos: social, cultural, ecológico e eclesial.

Nestes quatro sonhos, o Papa Francisco “projeta o horizonte de uma evangelização que desafia particularmente esta Assembleia Eclesial”, segundo padre Brighenti. No sonho social, o desafio para a América Latina e o Caribe é lutar pelos direitos dos mais pobres; no sonho cultural, preservar sua riqueza cultural; no sonho ecológico, ser um continente que preserva sua beleza natural; e no sonho eclesial, fazer de uma Igreja com uma América Latina e Caribe uma realidade.

Povo de Deus
Quanto à conversão pastoral da Igreja, que tem acompanhado a vida da Igreja no continente desde Santo Domingo, ela toma forma em diferentes áreas: a da consciência da comunidade eclesial, assumindo a eclesiologia do Povo de Deus do Vaticano II; a das ações pastorais e comunitárias, procurando “ser uma resposta aos desafios de hoje, especialmente ao grito dos pobres”; a das relações de igualdade e autoridade, levando à “erradicação do clericalismo” e incentivando “a corresponsabilidade de todos os batizados”; a das estruturas, incentivando “Conselhos Pastorais e Assembleias em todos os níveis”, tendo como exemplo a CEAMA ou esta Assembleia Eclesial.

Por esta razão, padre Agenor Brighenti afirma que “como pode ser percebido, a conversão pastoral e os quatro sonhos proféticos do Papa Francisco são um grande desafio para esta Assembleia, que desafia nossa generosidade a transbordar no Espírito do Ressuscitado”.

Fonte: Vatican News

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Relacionados