Selo de solidariedade

Por Dom Walmor Oliveira de Azevedo*

Solidariedade é o qualificado selo de autenticidade da cidadania, é o olhar humano nobre, dirigido ao pobre e ao vulnerável, que inspira a compaixão, alicerçando gestos de partilha capazes de renovar esperanças. Dos cristãos, a solidariedade é selo de autenticidade da fé. Muitos se dizem religiosos, se inscrevem em diferentes confissões, mas, somente quem é solidário vivencia, genuinamente, o Cristianismo. O ensino do Novo Testamento, com raízes profundas na tradição judaica do Antigo Testamento, interpela cada pessoa que se propõe a seguir Jesus com a exigência da solidariedade.

Jesus Cristo é o Deus da solidariedade, o filho do Pai solidário com a humanidade sofredora e submersa na condenação do pecado. O coração que se abre à ação do Espírito Santo, à Trindade, é inspirado a agir de forma sempre solidária, com palavras que consolam, a partir de gestos corajosos e considerando que o outro, o irmão, é sempre mais importante – um princípio da moralidade cristã. Não há, pois, outro caminho para a civilização contemporânea. A única via possível é a da solidariedade. Se não for trilhada, a humanidade continuará a ser atormentada, de modo devastador, por pandemias. No sofrimento, perceberá que não adianta acumular riquezas para vencer a morte. O mal só se vence com a luz da efetiva solidariedade. Uma luminosidade capaz de debelar até mesmo a morte, conforme ensina a ressurreição de Cristo.

Estranha muito, e certamente revela perversidades, escolhas equivocadas, quando alguns cristãos agem como se tivessem medo da solidariedade. Fecham-se às ações solidárias, sentem-se ameaçados nas fronteiras impostas por seus próprios egoísmos doentios. Passam a caluniar a solidariedade, para enfraquecê-la, valendo-se de estereótipos obsoletos e inadequados, vinculados a ideologias políticas sem consistência. Assim procedendo, talvez sem perceber e sem se dar conta de que estão se contrapondo à solidariedade, essas pessoas habitam no terreno de outras ideologias políticas igualmente perversas, que alimentam a indiferença em relação aos pobres, aos trabalhadores da cidade e do campo.

A Doutrina Social da Igreja Católica convoca os cristãos a se sensibilizarem diante da humanidade ferida, que não encontrará a sua cura em uma economia gananciosa. A recuperação somente virá a partir de novas configurações fundamentadas na solidariedade, no respeito, no amor. Mas o amor cristão exige o compromisso de denunciar o que está errado e ajudar no desenvolvimento de novos projetos nos campos social, cultural e econômico, capazes de garantir a todos o direito e a justiça. O ciclo novo que se espera ao final dessa pandemia do novo coronavírus necessita da inspiração de um humanismo integral e solidário.

Não pode prevalecer a mesquinhez nos mais diferentes grupos ou mesmo na interioridade de cada pessoa. No coração humano deve habitar a voz da solidariedade,

que corrige rumos, alarga horizontes de modo iluminador, exigindo novas lógicas e práticas. O coração solidário salva a mente de escolhas políticas obscurecidas, enraizadas em fanatismos ou na escravidão ao dinheiro. A oportunidade de consolidar um ciclo novo para a humanidade depende de muitos e de cada um. Precisa de lúcida e qualificada participação, particularmente das instâncias governamentais, legislativas e judiciárias a serviço do povo, do bem comum e da justiça. Trata-se de um longo caminho de purificação para vencer o acúmulo de vícios e práticas abomináveis – manipulação, iniciativas motivadas por interesses espúrios, perpetuação de privilégios e submissão ao dinheiro, por medo ou conivência.

A solidariedade é a luz que precisa revisitar mentes, corações, contextos diversos, a exemplo de tribunais, mesas executivas, esferas variadas da conjuntura cidadã. Estre esses, está o mundo do trabalho que merece especial atenção. É preciso um olhar solidário para reconhecer a importância e, assim, respeitar trabalhadores e trabalhadoras, considerando a sacralidade de seus direitos e de sua dignidade. Neste Dia do Trabalho, importante mais uma vez retomar o que ensina a Doutrina Social da Igreja Católica, para que as mudanças em curso não ocorram de modo determinista. Seja a humanidade protagonista das transformações almejadas e cada pessoa torne-se reconhecida como protagonista de seu trabalho. Modos mecanicistas e economicistas de ordenamento social são perigosos. Em vez de propostas inadequadas, pouco lúcidas e que desrespeitam a dignidade humana, particularmente do trabalhador, a humanidade é convocada a priorizar o selo da solidariedade.

* Arcebispo metropolitano de Belo Horizonte. Presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB)

 

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Relacionados