Encontro da IAM na Diocese de São Miguel Paulista

Encontro da IAM na Diocese de São Miguel Paulista

A Diocese de São Miguel Paulista, em São Paulo (SP), realizou no último sábado, 27 de outubro, seu Encontro de Formação para Assessores e Coordenadores da Infância e Adolescência Missionária – EFACIAM. O encontro foi realizado na Paróquia de São Francisco de Assis dos Pequeninos e reuniu cerca de quarenta participantes, entre crianças, adolescentes e assessores dos grupos de IAM, além de religiosos e familiares.

b1Seguindo o tema da Campanha Missionária deste ano – “Enviados para testemunhar o Evangelho da Paz” -, o encontro contou com momentos de formação, testemunho e missão; também teve por objetivo encerrar as celebrações do Ano Jubilar da IAM, em comemoração aos 25 anos de implantação da Obra na diocese.

Após um momento de meditação, os participantes foram divididos em grupos e convidados à refletir sobre a história de grandes promotores da paz – Mahatma Gandhi, Malala Yousafzai, Marielle Franco, Santa Teresa de Calcutá, São Francisco de Assis. Após a apresentação dos grupos, o coordenador diocesano da Obra, Rodrigo Alves Piatezzi, juntamente com as coordenadoras da IAM na Paróquia de São Francisco de Assis dos Pequeninos seguiram com o momento formativo. Para o assessor, “ser promotor da paz não é tarefa fácil. Vários deles foram ameaçados e perderam até suas vidas, como o próprio Jesus Cristo, o maior promotor da paz e dos direitos humanos: passou fazendo o bem, mas alguns não entenderam sua mensagem e, ainda, os ‘poderosos’ de seu tempo ficaram incomodados, por isso Ele morreu na cruz.”, expressou Rodrigo.

As coordenadoras ainda lembraram de outros nomes como Irmã Dorothy Stang, Maria da Penha, Martin Luther King, Nelson Mandela, Padre Ezequiel Ramin e Zilda Arns. O tema também foi relacionado com a história e fundação da Obra. As adolescentes lembraram que quando Dom Carlos fundou a Infância Missionária pede que as crianças francesas, que eram crianças pobres, que trabalhavam, fizessem suas orações e sacrifícios para as crianças da China. Com pequenos gestos e pensamentos de paz, as primeiras crianças da Infância Missionária promovem o direito à vida para as crianças que eram abandonadas nas portas das Igrejas lá na China. “Nós também nos tornamos testemunhas da paz quando ajudamos nossos pais em casa e os nossos amigos na escola, não praticamos o bullying e rezamos por todas as pessoas.”, concluiu Rodrigo.

b2Finalizando as atividades da manhã, o grupo recebeu a irmã Silvia, Missionária Comboniana. De origem italiana, hoje com 82 anos, desses mais de cinquenta anos no Brasil, a religiosa partilhou seu processo de discernimento vocacional, os desafios enfrentados ao chegar no Brasil, os locais por onde passou e ações pastorais, sociais e de evangelização realizadas. “Quando cheguei ao Brasil, com outras três irmãs, fomos trabalhar no Espírito Santo. Não entendíamos e nem falávamos o português, só sabíamos as palavras bom dia, boa tarde, boa noite e obrigado… O começo foi muito difícil, era uma comunidade pobre e mesmo sem falar a língua portuguesa, em poucos meses, nos foi dada a responsabilidade de cuidar da escola da região. Como fazer a missão, dar uma aula sem saber falar a língua local e nem conhecer a realidade do povo?”, partilhou irmã Silvia que, entre reflexões e a partilha da realidade vivida tirava gargalhadas do grupo. “As dificuldades foram superadas. Deus nos guiou e o povo nos acolheu como filhas e foi nos orientando.”, continuou.

Irmã Silvia foi uma das responsáveis por implantar a Infância e Adolescência Missionária na Diocese de São Miguel Paulista. “Éramos um grupo bonito: três religiosas – uma missionária Comboniana, uma Xaveriana e uma da Consolata e mais onze leigos, formávamos o Conselho Missionário Diocesano. Enviamos duas leigas para o Encontro Continental da Infância Missionária, na Colômbia, e iniciamos a visitar as paróquias para implantar os primeiros grupos… Ainda, preparávamos celebrações missionárias, animávamos as comunidades, realizávamos a Gincana Missionária com os grupos de jovens, distribuíamos para todas as comunidades o material da Campanha Missionária; caminhamos junto às Ceb’s, formamos muitas lideranças. Era uma época, verdadeiramente, profética e missionária.”, testemunhou.

No período da tarde, os participantes realizaram uma pequena missão na comunidade ‘Três Cocos’. Durante a ação missionária, as crianças, adolescentes, juntamente com seus assessores, cantaram e rezaram pelas ruas; visitaram algumas casas, conhecendo sua realidade e abençoando as casas e tiveram um momento com o grupo da Catequese. No local está sendo implantado a Comunidade São Jorge, da Paróquia de São Francisco de Assis dos Pequeninos
“Participar e colaborar no EFACIAM foi uma experiência muito bacana porque a gente refletiu sobre vários promotores da paz e também aprendeu como ser um, mesmo no nosso bairro, na nossa comunidade, dentro da nossa casa. Ainda, foi uma experiência muito frutuosa poder sair em missão, entrar dentro de uma comunidade, ver a realidade daquelas pessoas e fazer uma benção sobre as famílias.”, avaliou Larissa Carvalho, que tem 15 anos e a cinco participa da Obra, juntamente com seu irmão; os pais também acompanham o trabalho, participando dos encontros e acompanhando o grupo na oração do Terço Missionário, que é rezado, semanalmente, na casa de um membro da comunidade. E continuou: “Eu amo participar da Infância e Adolescência Missionária. Isso mudou minha vida, não só a minha como da minha família”.

comment Ainda não há comentários.

Você pode ser o primeiro a deixar um comentário.

mode_editDeixe uma resposta

Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person. Required fields marked as *

menu
menu