Apóstolo Paulo, missionário intinerante

Apóstolo Paulo, missionário intinerante

Anunciar o Evangelho não é para mim um título de glória, é uma obrigação que me foi imposta. Ai de mim se não evangelizar! (1 Cor 9, 16)

de Rafael Lopez Villasenor *

A Igreja deve dar um salto de qualidade fazendo com que todas nossas paróquias e pastorais se tornem missionárias (DAp, 173). Paulo, o missionário itinerante, incansável, cheio de audácia, criatividade e ímpeto evangelizador, anuncia a Palavra, tanto nos centros urbanos como nas periferias. Ele vai além fronteiras, é apóstolo dos gentios e das nações. Tem um coração ardente por causa do Evangelho.000 a a a apaulo4

O Apóstolo Paulo é chamado a ir ao encontro dos gentios, dos que estão distantes, dos que ainda não conhecem Cristo. Ele é o missionário ad gentes por excelência. Paulo apóstolo dos gentios, oriundo da diáspora, nascido e formado no mundo grego. Natural da cidade de Tarso de pais judeus, da tribo de Benjamim (At 23,6).

Ele foi criado dentro das exigências da lei e das tradições paternas (Gl 1,14). Era judeu praticante, preocupado com a observância da Lei. Desde o nascimento foi cidadão romano (At 22,25-29), mas sempre se orgulhou de ser judeu e fariseu. Tinha dois nomes: Saulo, o nome judaico e Paulo o nome grego. É errado dizer que antes da conversão se chamava Paulo e depois Saulo.

Como todos os meninos judeus da época, Paulo recebeu sua formação básica na casa dos pais, na sinagoga do bairro e na escola ligada à sinagoga. Nesse ambiente, ele aprendeu a ler e escrever, estudar a lei de Deus e a história do povo, assimilar as tradições religiosas, aprender as orações e os salmos. O método era: pergunta e resposta, repetir e decorar, disciplina e convivência. Além da formação básica em Tarso, Paulo recebeu uma formação superior em Jerusalém. Estudou aos pés de Gamaliel (At 22,3). Não só era conhecedor a fundo da religião dos pais, mas também, possuía boas noções das filosofias e religiões gregas do seu tempo. Escrevia e falava grego. Enquanto judeu, tinha mentalidade completamente diferente dos gregos. Mas se esforçava para assimilar a maneira de pensar desse povo. Por profissão era fabricante de tendas (At 18,3), que tinha recebido do pai.

Do nascimento aos 28 anos de idade, Paulo, foi o judeu observante (Gl 1, 13.23; ICor 15,9; Fl 3,6); dos 28 aos 41 anos de idade o convertido fervoroso (At 9,3-19); dos 41 aos 53 anos de idade o missionário itinerante (At 9,20-25); De 53 até a morte aos 62 anos de idade o prisioneiro e o organizador das comunidades. Com suas cartas expressa seu calor e presença nas comunidades fruto da missão.

Ele nunca trabalhou sozinho, sempre com um grupo missionário itinerante, que enfrentou perigos e ameaças constantes (2Cor 11, 23-38) e trabalhou com suas próprias mãos para se sustentar. Ele foi um missionário urbano, que escolheu estrategicamente os grandes centPauloros para facilitar o anúncio do Evangelho a partir das comunidades Judaicas. De personalidade forte, intrépida, às vezes parecia intolerante, mas também soube ser sensível e cheio de ternura.

A perseguição de Nero durou de 64 a 68, e levou ao martírio Paulo e Pedro. Estabelecer o ano exato do martírio é praticamente impossível, mas deve ser colocado entre 66 e 68. Que Pedro e Paulo tenham morrido na mesma ocasião é improvável, mas o martírio dos dois se deu durante a mesma perseguição, talvez, no mesmo ano. Paulo, segundo a tradição, foi decapitado no lugar onde surge hoje a Basílica de São Paulo fora dos muros.

A missão é tarefa fundamental da Igreja. Missionário é a pessoa que recebe um chamado e é incumbida a ir além de si mesma, ao encontro do outro, além fronteiras. Na época de Paulo Igualmente a prática missionária era comum. O trabalho missionário era feito por pessoas itinerantes, que andavam de aldeia em aldeia, de cidade em cidade e de casa em casa, inclusive nas praças reuniam pessoas para anunciar o Evangelho.

O próprio Apóstolo Paulo sente o dever de anunciar a Boa Nova de Jesus Cristo: “Anunciar o Evangelho não é para mim um título de glória, é uma obrigação que me foi imposta. Ai de mim se não evangelizar!” (1 Cor 9, 16). A prática missionária era parte essencial do anúncio do evangelho. O missionário tinha determinados direitos, que Paulo renuncia. Ele cita três (1Cor 9, 4-6), como comer, saber e beber às custas da comunidade; levar a esposa junto nas viagens; receber o sustento econômico para não precisar trabalhar. Paulo repete que estes são direitos seus. Mas, ele renuncia para sentir-se livre em sua missão. Não quer estar comprometido com nenhum salário. Quer pregar de maneira gratuita e se sustentar com o próprio trabalho, sem depender de ninguém.

De acordo com o costume da época o missionário tinha três opções possíveis para ganhar a vida, como receber um salário da comunidade, ou viver de esmolas, ou ainda, como professor particular de famílias ricas, mas o tornava refém de quem o sustentava. Paulo fez uma quarta opção de trabalhar com as próprias mãos sendo fabricante de tendas (At 18, 3). O trabalho manual no mundo grego no qual Paulo anuncia o evangelho era visto como trabalho próprio de um escravo e impróprio para um cidadão romano ou homem livre. Ele é o Apóstolo trabalhador que renuncia a todo privilegio e direito para anunciar o Evangelho. Faz opção de não receber nada pelo trabalho de Evangelização, mas reconhece esse direito (1 Cor 9,6-14). Tem uma opção radical na forma de anunciar o Evangelho gratuitamente (1 Cor 9,18), tornando-se “judeu com os judeus, pagão com os pagãos… a fim de ganhar todos para Cristo” (1 Cor 9,19-20). E fazia disto uma questão de honra “um titulo de glória”! (1 Cor 9,15). Inclusive, é mais radical que o próprio Jesus que diz qu000 a a a apaulo 3e o “operário tem direito a seu salário” (Mt 10,10)

As viagens missionárias de Paulo foram muito difíceis. Viajar, na época não era nada romântico. Ele enfrentou distâncias longas, perigos nas estradas, naufrágios, assaltos… Havia também, os problemas da língua, costumes locais, sustento… “Sofri perigo nos rios, perigo por parte de ladrões, perigos por parte dos meus compatriotas, perigos da parte dos pagãos, perigos nas cidades, perigos no deserto, perigos no mar. Três vezes naufraguei. Passei um dia e uma noite em alto mar” (2Cor 11, 25-26). Havia os problemas da língua, dos costumes locais, do sustento entre outros. “Fadigas e duros trabalhos, numerosas vigílias, fome e sede, múltiplos jejuns, frio e nudez!” (2Cor 11,27). Tudo por causa do Evangelho. Usou todos os meios para cumprir a missão, viajou de navio, a cavalo, a pé… Foi preso pelo menos três vezes. Sofreu muito por causa do Evangelho. Foram mais ou menos doze anos viajando e andando de cidade em cidade. Eram viagens missionárias muito distantes e difíceis (Cf. At 13-20).

Paulo em sua missão se dirigia aos grandes centros urbanos. Aí buscava pessoas da periferia, inicialmente aos judeus. Após ter a rejeição dos judeus e conflitos com estes passou anunciar o evangelho aos pagãos, isto é aos helenistas. Aí constituía um pequeno grupo, em torno a uma casa de família, quando estava tudo encaminhado ia para outro lugar para formar uma nova comunidade. Porém continuava alimentando as comunidades através de visitas, aconselhamentos e cartas.

Evangelizar sempre ao estilo de Paulo é tarefa de todo batizado. O mandato missionário é urgente, é prioridade absoluta para todo o cristão. Não podemos nos envergonhar do Evangelho. Ai de mim se não evangelizar! Muitas pessoas e povos ainda não ouviram falar de Jesus Cristo.

Que São Paulo Apóstolo fortaleça a nossa espiritualidade e a nossa mística missionária!

* Rafael Lopez Villasenor é missionário xaveriano.

comment Ainda não há comentários.

Você pode ser o primeiro a deixar um comentário.

mode_editDeixe uma resposta

Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person. Required fields marked as *

menu
menu